A partir de 2016, Marcio Nepomuceno escreveu cerca de 200 cartas enviadas da prisão e que serviram de conteúdo para a construção do livro.